home_pretratoYasmin Jamil Nadaf é cuiabana, nascida em 22 de maio de 1961. Segunda filha de Layla e Jamil Nadaf, tendo como irmãos Samia e Pedro. Tia de Karime e Jamil Nadaf de Mello,  e Pedro e Thiago Bojikian Nadaf.

Licenciada em Letras, pela UFMT, Especialista em Literatura Brasileira, pela UFPR, e Mestre e Doutora em Literaturas de Língua Portuguesa, pela Unesp, com Pós-doutorado em Literatura Comparada, pela UFRJ.

Há três décadas pesquisa a escrita literária de sua terra, divulgando-a através de palestras, teses, e ensaios publicados em revistas especializadas e jornais do país. Seus livros, Sob o signo de uma flor. Estudo de A Violeta, publicação do Grêmio Literário Júlia Lopes - 1916 a 1950 (1993), Rodapé das miscelâneas. O folhetim nos jornais de Mato Grosso - séculos XIX e XX (2002), Diálogo da escrita. Alagoanos na imprensa de Mato Grosso (2003), Presença de mulher: ensaios (2004), Machado de Assis em Mato Grosso. Textos críticos da primeira metade do século XX (2006), Estudos literários em livros, jornais e revistas (2009), e Páginas do passado. Ensaios de literatura (2014) são referências no Brasil e no estrangeiro.

 


 

Exposições

 

Veja aqui exposições com acervos de Yasmin Nadaf:

 


 

Informes - 2017

 


Neste dia 13 de fevereiro, gravamos com o Programa "Entrevista Coletiva" da TV Assembléia Legislativa, sobre o tema: 100 anos de A Violeta. (Ver Link FORTUNA CRÍTICA - Em Rádios e TVs)

A revista surgiu em dezembro de 1916 e o último exemplar que localizamos em nossos estudos data de março de 1950. Trata-se de uma revista criada e dirigida por mulheres em Mato Grosso.

Aos interessados em conhecer a citada revista publicamos um artigo de nossa autoria sobre sua ciurculação (Ver Textos)

                                                        

                                                             ***


Portugueses de papel. Dicionário de personagens portuguesas do romance brasileiro,

 

Recebemos com muito orgulho profissional o convite para integrar a Comissão Científica de Portugueses de papel. Dicionário de personagens portuguesas do romance brasileiro, projeto este desenvolvido em parceria pelo Grupo de Investigação 6 do CLEPUL (Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa) e pela Cátedra Infante Dom Henrique, pertencente ao mesmo Centro. O dicionário será, de início, colocado num site de consulta aberta e, posteriormente, impresso.

Caberá à Comissão Científica, da qual faremos parte, formular pareceres de avaliação dos verbetes sobre os romances brasileiros que o dicionário conta publicar.

Abaixo a composição da Equipe do Projeto:

Coordenação:

Ana Maria Lisboa de Mello (PUCRS); Jacqueline Penjon (Sorbonne Nouvelle); e Vania Pinheiro Chaves (CLEPUL-ULisboa)

Comissão Científica

Antonio Carlos Secchin (UFRJ- ABL); Antonio Dimas (USP); Carlos Baumgarten (PUCRS); Federico Bertolazzi (U. Roma II); Francisco Topa (U. Porto); Germana Sales (UFPA); Ilana Heineberg (U. Bordeaux); Jean-Yves Mérian (U. Rennes); José Luís Jobim (UFF); Lúcia Helena (UFF); Luís Bueno (UFPR); Maria Aparecida Ribeiro (U. Coimbra); Maria Célia Leonel (UNESP-Araraquara); Maria Eulália Ramicelli (UFMS); Maria Zilda Cury (UFMG); Marilene Weinhardt (UFPR); Marta de Senna (FCRB); Paulo Motta (USP); Renato Cordeiro Gomes (PUC-Rio); e Yasmin Jamil Nadaf

 

 
curriculum_lattes

Vídeos

videos

Livros Publicados

Jornais

O escritor é um aprendiz. Ele traz em seu ofício diálogos múltiplos (...).

Desde os 15 anos faço críticas literárias. Sou uma leitora de berço. As duas ações – ler e escrever – estão fortemente entrelaçadas. Já nasci com esse olhar. Com uma inquietude particular. Um desejo de me posicionar criticamente frente à realidade que enxergo. Acredito na literatura como objeto de transformação. De aparar diferenças, sejam mínimas ou não, na sociedade. (Yasmin Nadaf)

Construir um acervo bibliográfico não é somente uma demonstração de amor pelos livros e outras fontes escritas, mas também a expressão do exercício diário da cidadania. Ao armazenar a escrita estamos estimulando o processo da leitura, ofertando o entretenimento, disseminando a memória, e preservando o patrimônio cultural de uma região ou de uma nação. (Yasmin Nadaf)

LIVRO É VIDA

(Yasmin Nadaf)